Limite de geração na cidadania italiana

O que conhecer em Verona
08/03/2018
5 MELHORES PAÍSES DA UNIÃO EUROPÉIA PARA TRABALHAR (mais a Suíça)
22/03/2018
Mostrar Tudo

Limite de geração na cidadania italiana

Recebo muitos e-mails perguntando se existe um limite de geração para que se possa obter a cidadania italiana. Entendo que essa dúvida ocorra, já que a cidadania portuguesa, bem como a espanhola tem regras rígidas e, portanto, não há tanta abertura para se tornar cidadão europeu quando se fala nessas duas nacionalidades.

A cidadania italiana é diferente da portuguesa e da espanhola, o limite de geração para se obter a cidadania italiana está intimamente ligado à Unificação da Itália.

Vamos à aula de história (bem resumida):

A Itália como conhecemos hoje, historicamente, não é muito antiga, isso porque, antes da Unificação, o país não existia, eram estados independentes , alguns até reinos e outros controlados por famílias reais francesas, austríacas e pela igreja católica. Dessa maneira, não haviam leis, moedas, língua e nem mesmo sistema político unificado.

Mas o que aconteceu para que a Itália fosse unificada? Primeiramente, o Reino de Piemonte-Sardenha era mais desenvolvido do que o centro e o sul e, dessa maneira, era interessante para os governantes do reino expandir o seu mercado de consumo para o restante das regiões, aumentando o mercado consumidor.

Parece que foi pacífico, não é? Mas não, não foi. O Império Austro-Húngaro não queria entregar os reinos que controlava, e em 1859, Giuseppe Garibaldi (sim, ele mesmo, aquele que veio para o Brasil) liderou uma guerra, e o reino da Lombardia foi conquistado.

Já em 1860, com o apoio de movimentos populares, foram anexadas Parma, Modena, Romagna e Toscana. Neste mesmo ano, os “camisas vermelhas” e as tropas piemontesas, liderados por Garibaldi, incorporaram o reino das duas Sicílias.

Em 1861, os estados governados pela igreja católica (Estados Pontifícios), foram também anexados e, assim, formou-se o Reino da Itália, que teve como seu primeiro rei Vittorio Emanuele II.

Porém, a igreja católica também não aceitou perder seus territórios e só reconheceu o Estado Italiano em 1929, através do Tratado de Latrão, onde foi acordado entre Benito Mussolini e o Papa Pio XI, a criação do estado do Vaticano e o recebimento de indenização pela perda dos territórios católicos, em troca do reconhecimento da unificação italiana.

Ok, e aí você se pergunta: Tá, li até aqui achando que ia entender se tem limite ou não de geração pra pedido de cidadania e nada!

Calma, que eu explico, não existe um limite de geração para pedido de cidadania italiana, o que existe é um limite temporal, ou seja, para você ter direito à cidadania italiana, o seu antenato tinha que estar vivo depois de 17/03/1861 (data da unificação italiana). Se seu antenato morreu antes desta data, infelizmente, você não terá direito.

Isso ocorre pelo simples motivo que antes desta data, não existia Itália, existiam os reinos que comecei falando lá em cima e as pessoas eram naturais destes reinos, o que acabou depois da unificação e é por isso que seu antenato tinha que estar vivo depois de 17/03/1861, pois aí ele era considerado italiano.
Portanto, não existe um limite de geração, pode ser seu trisavô, bisavô, o que for, desde que ele estivesse vivo depois de 17/03/1861.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 − cinco =

O conteúdo de texto, foto e vídeo do site CIDADANIA TUTTO A POSTO não pode ser copiado ou reproduzido sem autorização prévia.

Quer saber se tem direito a Cidadania Italiana ou Nacionalidade Portuguesa? Clique no botão abaixo e faça uma pré-consulta.
FAÇA UMA PRÉ-CONSULTA GRATUITA!
Fazer pré-consulta