Alcobaça e Inês de Castro

A misteriosa Civita di Bagnoregio
18/08/2023
Posso ter conta em banco português?
29/09/2023
Mostrar Tudo

Alcobaça e Inês de Castro

Foto de Carlos Machado: https://www.pexels.com/pt-br/foto/projeto-arquitetonico-design-arquitetonico-construcao-predio-5496038/

A cidade de Alcobaça, situada na região central de Portugal, é um lugar rico em história, cultura e beleza natural.

Você conhece a famosa história de Inês de Castro? Já leu Os Lusíadas? Já ouviu a expressão “Agora Inês é morta”? Pois bem, saiba que esta expressão vem da história trágica de Inês de Castro e vamos aqui explorar um pouquinho, porque ela tem tudo a ver com a cidade de Alcobaça.

O príncipe Pedro I se apaixonou por Inês Pires de Castro, uma dama de companhia de sua esposa, D. Constança. Com o falecimento de D. Constança, Inês foi morar em Coimbra e D. Pedro tinha o desejo de se casar com Inês. Porém, o rei português Afonso IV, pai do príncipe, não aprovou o romance e mandou degolar Inês.

Inconformado, D. Pedro jurou vingança e assim que se tornou rei, matou dois dos assassinos de sua amada. E não só isso, mandou desenterrar o corpo de Inês levando-o em procissão com pompas de rainha de Coimbra a Alcobaça. Mesmo diante de tamanho esforço, querendo ou não, Pedro nada poderia fazer, já que Inês estava morta, daí nasceu a expressão “Agora Inês é morta”.

A história desse amor trágico foi explorada em prosa, verso e teatro por vários historiadores, escritores, artistas, enfim, uma gama infindável de contos, sendo o mais conhecido, o episódio que ocupa as estâncias 118 a 135 do Canto III de Os Lusíadas, de Luís de Camões, onde esse episódio lírico-amoroso é narrado e simboliza a força e a veemência do amor em Portugal. Nele, Vasco da Gama – e a própria Inês – nos contam a história dramática, onde D. Pedro, inconformado com a morte de sua amada mandou vesti-la com roupas nupciais, sentou o cadáver no trono e fez os nobres beijarem a mão do cadáver de sua amada.

Para imortalizar seu amor por Inês, D. Pedro garantiu na presença de sua corte que havia se casado clandestinamente com Inês, o que a transformou em rainha após a morte, daí falar-se que “a infeliz foi rainha depois de morta”.

Os dois amantes estão sepultados no Mosteiro de Alcobaça, em túmulos que são duas verdadeiras obras-primas da escultura gótica em Portugal e com todo esse enredo são uma das atrações mais emocionantes do local.

Alcobaça tem raízes que datam do século XII, quando o Rei Afonso I de Portugal doou terras à Ordem de Cister, uma ordem monástica religiosa. A ordem construiu o impressionante Mosteiro de Alcobaça, uma obra-prima da arquitetura gótica, que se tornou o coração espiritual e cultural da região. O mosteiro foi fundado em 1153 e é famoso por sua arquitetura imponente, jardins luxuriantes e um importante acervo artístico.

Atrações Turísticas em Alcobaça:

  1. Mosteiro de Alcobaça: Também conhecido como Real Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça, este é o principal destaque de Alcobaça. O Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça, um Patrimônio Mundial da UNESCO, é um exemplo incrível da arquitetura gótica. É a primeira obra plenamente gótica erguida em solo português, sua construção foi iniciada em 1178 pelos monges da Ordem de Cister. Seu interior é igualmente impressionante, com claustros ornamentados e uma igreja deslumbrante.
  2. Castelo de Alcobaça: Embora em ruínas, o Castelo de Alcobaça oferece uma vista panorâmica da cidade e da paisagem circundante. A sua história remonta ao período romano e árabe, tornando-o um local de grande significado histórico. Embora as lendas locais atribuam a construção do primitivo castelo aos Visigodos, outros autores atribuem a sua edificação aos Muçulmanos, que o teriam edificado em posição dominante sobre a vila “(…) dado-lhe o nome de Alcácer-bem-el Abbaci, que era o de uma porta da cidade de Marrocos.” (LARCHER, 1933:17).
    À época da Reconquista cristã da Península Ibérica, por volta de 1148, as terras da região de Alcobaça foram tomadas pelas forças de D. Afonso Henriques (1112-1185), momento em que, então, os portugueses teriam conquistado esse castelo. As terras foram doadas aos monges da Ordem de Cister em 1153 para que as povoassem e defendessem, ano em que foi fundado o Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça, formando os “Coutos de Alcobaça”.
  1. Museu Raul da Bernarda: Este museu abriga uma coleção eclética de arte e objetos históricos, incluindo peças do Mosteiro de Alcobaça e artefatos arqueológicos locais. É uma ótima maneira de entender melhor a rica história da cidade.
  2. Parque dos Monges: Este parque temático oferece atividades ao ar livre para toda a família. Você pode explorar trilhas, passear de pedalinho, praticar arvorismo e conhecer animais em um ambiente natural encantador.
  3. Mercado de Alcobaça: Visite o mercado local para experimentar produtos frescos e locais, como queijos, vinhos, frutas e legumes. É um lugar perfeito para saborear a culinária tradicional de Alcobaça.
  4. Praias próximas: Alcobaça está a uma curta distância das praias da Costa de Prata, como a Praia do Norte, famosa por suas ondas gigantes, e a Praia da Nazaré, onde você pode desfrutar de dias de sol e atividades aquáticas.
  5. Festivais e eventos: Alcobaça também é conhecida por seus festivais e eventos culturais ao longo do ano. O Festival Cistermúsica, por exemplo, é um evento de música clássica que acontece no Mosteiro e atrai amantes da música de todo o mundo.

Alcobaça é uma cidade que oferece uma rica história, cultura e beleza natural. O Mosteiro de Alcobaça, com sua história emocionante, é o destaque indiscutível, mas a cidade oferece muito mais para os visitantes explorarem e apreciarem. Com sua atmosfera acolhedora e encantadora, Alcobaça é um destino que cativa todos que a visitam.

 

Como chegar a Alcobaça

 De carro

De Lisboa utilize a A8 em direção a Leiria.

De ônibus

Há conexões diretas de Lisboa pela Rede Nacional de Expressos (tempo de viagem: 1h40). O ônibus sai de Lisboa Sete Rios até Alcobaça.

De trem (comboio)

Há trens de Lisboa, mas a estação ferroviária fica a 5 km do centro e enquanto o ônibus leva em torno de uma hora e quarenta, o trem leva em média quase quatro horas.

 

Foto destacada de Carlos Machado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − 9 =

O conteúdo de texto, foto e vídeo do site CIDADANIA TUTTO A POSTO não pode ser copiado ou reproduzido sem autorização prévia.

Quer saber se tem direito a Cidadania Italiana ou Nacionalidade Portuguesa? Clique no botão abaixo e faça uma pré-consulta.
FAÇA UMA PRÉ-CONSULTA GRATUITA!
Fazer pré-consulta